Parte 01 de 02

Como fazer a diferença, trabalhar com aquilo que ama e ainda, ganhar dinheiro no processo

Caro leitor,

 

O que eu vou te explicar durante essas breves lições, pode mudar totalmente a sua maneira de trabalhar.

Estou falando de começar a trabalhar com algo que realmente ama, que faça bem e que as pessoas precisem disso.

Ainda, você também vai aprender como construir um verdadeiro negócio ao redor dessa atividade.

Mas não estou falando de um “negócio online” como muitos dizem por aí.  Estou falando de negócio robusto, bem estruturado, com visão de longo prazo.

Eu não gosto de parecer exagerado, mas eu não consegui encontrar uma maneira mais clara e direta para falar desse assunto.

Parece um sonho a imagem acima, não é mesmo? Trabalhar com algo que ama e ganhar bem.

Devo confessar que quando vi essa imagem pela primeira vez fiquei deslumbrado e passei a buscar incansavelmente isso para mim.

Vou te contar uma rápida historia para ilustrar o que quero dizer.

Em 2009 (caramba, já faz 10 anos! :o) eu saí do ensino médio e prestei vestibular para Economia. O motivo até hoje eu não sei dizer, mas na minha cabeça eu queria aprender a investir na bolsa e ganhar dinheiro.

Quando terminei a prova sabia que tinha passado, e ao mesmo tempo, sabia que não queria estudar economia. Em 2010, no começo do ano letivo, quando recebemos a grade curricular e vi que só iria estudar sobre a bolsa no terceiro ano, sabia que os dias de faculdade estavam contados.

Fiquei em torno de 2 meses, até que disse “chega” e fui buscar fazer algo que fizesse sentido para mim.

Pulamos 2 anos. Nesses dois anos, eu estava no que chamo de Primeiro Quadrante.

Havia saído da faculdade antes dela terminar e para ser bem sincero, foi uma das melhores decisões que já tomei. Nesses dois anos pulei de trabalho em trabalho, todos dentro do Primeiro Quadrante, fazendo algo que não gostava e não ganhava nada bem.

No final de 2012, com a pouca experiência que tinha, resolvi começar meu primeiro negócio. Eu tinha um conhecimento específico, e tinha descoberto que era possível transformá-lo em um produto de informação (um infoproduto).

O meu primeiro negócio foi construído ao redor desse produto. Um curso que ensinava as pessoas a importar produtos de outros países, pagando um preço bem mais baixo.

Voltamos aos quadrantes. O que vejo acontecendo muitas vezes , são as pessoas pulando do Primeiro Quadrante para o Terceiro Quadrante, e foi o meu caso. Mesmo em um atividade que não gostam, continuam nele, progredindo e galgando novos degraus.

Pulamos mais 2 anos. Era final de 2014, meu primeiro negócio tinha alcançado números que jamais havia imaginado.

Definitivamente estava no Terceiro Quadrante. Ganhando bem, mas fazendo algo que eu não amava fazer.

O caminho dos Quatro Quadrantes não é algo linear, e quando você olhar para sua vida, pode perceber que já passou por alguns deles, talvez de forma linear (primeiro, segundo, terceiro e quarto) ou saltando (segundo, primeiro, terceiro, quarto).

Analise com calma os quadrantes e depois me conta em qual se encontra no momento, combinado?

No final de 2014, entrei no que eu chamo Espiral da Morte. A Espiral da Morte é o movimento circular (está andando em círculos e não sai do lugar) que muitas empresas entram, resultando na morte delas.

Pesado, não? Mas verdadeiro.

No início dessa carta falei para você que iria aprender como construir um negócio robusto, certo?

O meu negócio naquela época dependia apenas de um único produto. Mais de 75% do faturamento que tinha era proveniente dele.

E adivinhe o que aconteceu? Por uma série de fatores, as vendas do produto carro chefe começaram a cair. Imagine uma empresa perder 75% do faturamento, o que você acha que acontece?

Pois é. Isso é a Espiral da Morte.

Isso foi final de 2014. Pulamos quase 5 anos para o ano atual, 2019. Eu vou te poupar dos 5 anos de acontecimentos, e vou resumir em duas imagens.

Logo após a falência do primeiro negócio, entrei no Segundo Quadrante. Resolvi fazer algo que amava, mas fiquei um bom tempo sem ganhar bem.

É o que chamam de Período de Maturação da empresa ou de ideias. São poucas as que bombam logo no início. A grande maioria delas passam por um período de maturação, um período que as coisas estão se acertando, até que comece a crescer.

E então, nos últimos três anos entrei no tão sonhado Quarto Quadrante.

O que será que mudou nesses 5 anos, que me fez REALMENTE começar a trabalhar com algo que amo e ganhar dinheiro com isso?

O que eu fiz nessa quase meia década que me fez faturar 4X mais que meu negócio anterior?

Quais foram as mudanças de mentalidade, de visão, que me permitiu fazer a diferença, trabalhar com algo que gosto e ganhar dinheiro no processo?

O Poder do Salto Triplo e Porquê você não deveria se importar com o que os outros dizem

Hoje em dia está romantizado o “trabalhe com algo que você ama”, ao ponto que, muitos acham que é só encontrar uma atividade que ama fazer, que já estará no Quarto Quadrante (trabalhar com algo que ama e ganhar dinheiro).

Por isso que a grande maioria das pessoas que seguem essa ideia, estão presas no Segundo Quadrante (trabalha com algo que ama, mas NÃO ganha dinheiro).

Eu separo dois grandes motivos no qual você deve evitar ouvir o que os outros dizem:

1. Tem aqueles que NÃO acreditam que é possível viver o Quarto Quadrante e vão te desistimular.

2. Tem aqueles que acreditam que é possível viver o Quarto Quadrante, mas estão no Segundo, e não vão conseguir te orientar da maneira correta. 

Mas então por qual motivo você deveria me ouvir? Porque existe um terceiro tipo de pessoa:

3. Aquelas que acreditam que é possível viver no Quarto Quadrante e que estão vivendo nele.

Depois de ter passado pelos Quatro Quadrantes, ter percorrido a jornada que você quer percorrer, hoje eu sei que posso ajudar as pessoas que realmente tem vontade, a chegar no Quarto Quadrante.

E eu vou te explicar como: através do Poder do Salto Triplo.

Na modalidade do salto triplo, você dá 3 grandes passos, os saltos, para aterrisar o mais próximo do seu objetivo.

O Salto Triplo funciona da mesma forma. Através de 3 grandes passos, você vai aterrisar mais próximo do seu objetivo, que é o Quarto Quadrate.

Foi o Salto Triplo que me levou até o Quarto Quadrante (trabalhar com algo que ama e ganhar dinheiro com isso) e é o Salto Triplo que pode te levar até ele.

Como disse anteriormente, tem muita gente que romatiza o Quarto Quadrante achando que é fácil chegar até ele, e é por conta disso que muitos estão estagnados no Segundo Quadrante, ou com medo de sair do Primeiro ou Terceiro Quadrante.

Os três grandes passos do Salto Triplo, são:

1. Identifique o problema que você resolve e como você pode resolver.

2. Identifique qual é o grupo de pessoas que você resolve o problema e como ser visto por elas como AUTORIDADE (o “resolvedor” do problema).

3.  Identifique a jornada de transformação, do problema até a solução dele. 

Esses são os 3 grandes passos, ou o SALTOS, que você precisa dar para chegar mais próximo do objetivo de trabalhar com aquilo que ama e ganhar dinheiro com isso.

Primeiro salto: Identifique o problema que você resolve e como você pode resolver

Um negócio existe para resolver problemas. Se você não resolve um problema, você não tem um negócio.

Aqui é a primeira falha das pessoas que estão presas no Segundo Quadrante.

Você precisa identificar o problema que você resolve. Sem esse passo, você já começa sua jornada rumo ao Quarto Quadrante da forma errada.

O “como” você resolve, ou em outras palavras, a solução que você tem em suas mãos, precisa estar diretamente conectada com aquilo que você ama fazer.

É um racíocionio simples, mas que a esmagadora maioria das pessoas não o utilizam.

Vou resumir esse primeiro salto com a frase abaixo:

Encontre algo que ame fazer, que faça bem e que as pessoas precisam disso.

Segundo salto: Identifique qual é o grupo de pessoas que você resolve o problema e como ser visto por elas como AUTORIDADE (o “resolvedor” do problema)

Quais são as pessoas que precisam da sua solução?

Essas pessoas são chamada de Público-Alvo, Avatar, etc. Você precisa ter claro quem são elas. Quanto mais informação você tem sobre elas, melhor.

Qual o gênero? Faixa etária? Região que mora? Escolaridade? Estado cívil? 

E agora, algumas perguntas que poucas que pessoas fazem sobre o público-alvo: o que eles pensam? Quais são seus maiores medos? Quais são seus maiores sonhos? O que ouvem das pessoas a sua volta?

O segundo salto baseia-se em duas partes: 1) identificar seu público-alvo, 2) comunicar-se com ele.

O modo como você se comunica com seu público é importante, pois cria o que chamamos de Autoridade, ou em outras palavras, o público passa a te enxergar como o “Resolvedor” dos Problemas.

Quando você consegue fazer com que seu público te enxergue como Autoridade, é aí que a mágica acontece.

Pense comigo. Quais são as chances de você comprar algo de alguém desconhecido? Baixa, não é mesmo?

E quais são as chances de comprar algo de alguém conhecido? Maior que a anterior.

Agora pense nas figuras de autoridade da sua vida: seus pais, alguém da família, algum amigo, professor… e pense também nas figuras de autoridade da sua área de atuação.

Volto a te perguntar. Quais são as chances de comprar algo dessas pessoas?

Mas, comprar o que exatamente?

Terceiro salto: Identifique a jornada de transformação, do problema até a solução dele. 

É nesse ponto que a maioria das pessoas falham. É nesse ponto que eu falhei no meu primeiro negócio.

A jornada de transformação é o passo crucial. Na modalidade do salto triplo, o terceiro salto, o último, é o que vai impulsionar o atleta a maior distância possível.

No Salto Triplo que estou te ensinando, a jornada é o último salto, e é o passo que vai te levar para mais longe.

Os três saltos se conectam, um dependende do outro e não podem ser negligênciados. Mas talvez o primeiro e segundo salto você já tenha ouvido falar e até mesmo já tem claro em sua mente.

Pensar na jornada é o que vai te possiblitar criar um negócio robusto e bem estruturado, não apenas mais um “negócio online”.

Eu costumo desenhar a imagem acima quando quero pensar em jornada (terceiro salto).

O seu público está no ponto A (problema) e através da sua solução, ele precisa chegar no ponto B (transformação).

Quando você compreende quais são os passos que ele precisa dar para chegar do ponto A ao ponto B, isso da um impulso muito grande ao seu negócio.

Entender a jornada de transformação do seu público é o que da a tração necessária para o crescimento continuo do seu negócio.

Esses foram os três saltos do Salto Triplo. Em resumo: 

1. Identifique o problema que você resolve e como você pode resolver.

2. Identifique qual é o grupo de pessoas que você resolve o problema e como ser visto por elas como AUTORIDADE (o “resolvedor” do problema).

3.  Identifique a jornada de transformação, do problema até a solução dele. 

Através desses três saltos que eu consegui chegar e PERMANECER no Quarto Quadrante. Acredito que isso também seja um desejo seu.

Emannuel, você tá ensinando tudo de graça, por que?

 

Isso apenas 0,5% do que nós fazemos no nosso negócio. MAS mesmo assim, já é muito mais do que você vai encontrar nessa internet.

A maioria diz as mesmas coisas: “Como ter um negócio online:

01 – Crie um curso
02 – Grave um vídeo ou uma série de vídeos
03 – Faça anúncios

Nada contra. Isso funciona e também utilizamos, mas como uma parte de um todo.

Eu só não me conformo em ficar tentando usar a estratégia do Salto da Esperança.

Independente do quadrante que está atualmente, muita gente tenta saltar, com a esperança de cair no Quarto Quadrante.

E o que muitas vezes acontece é exatamente isso do GIF acima. Na esperança de saltar para o Quarto Quadrante, caem de cara em qualquer lugar.

Eu tenho uma GRANDE solução para a pessoa que está nessa situação que conversamos, e que vai resolver o problema dela.

E eu vou ficar enrolando pra falar do produto? Claro que não!

Amigo(a), você chegou até aqui por algum motivo.

1. Você é uma pessoa que gosta bastante de ler.

2. Ou você chegou até aqui, pois quer chegar ao Quarto Quadrante, de forma assertiva.

Se você é do segundo grupo de pessoas, eu tenho a solução. Tá afim? 

Mas vamos lá, eu não quero apenas ENSINAR a fazer. Eu vou criar um grupo, estou pensando ainda nos detalhes, onde eu vou ORIENTAR pessoalmente alguns empreendedores na implementação dessa estratégia (o Salto Triplo).

Vamos ver como vai ser.  Por enquanto é isso. Até a próxima lição. 

Grande abraço,

Emannuel Zamparoni